Transparência preservada ao combater corrupção

Home  /  Divulgação  /  Transparência preservada ao combater corrupção

Transparência preservada ao combater corrupção

A Polícia Federal do Brasil executou no dia 17/03/2017 o cumprimento de 309 mandados judiciais relacionados a investigação sobre crimes praticados por fiscais agropecuários federais e empresários desse setor, investigação que foi denominada de Operação Carne Fraca.

 

Um efetivo de aproximadamente 1.100 policiais federais foram envolvidos nas operações de prisões preventivas e temporárias, conduções coercitivas e busca e apreensão realizados nessa data em 7 estados, sendo essa a maior operação realizada pela PF até então.

 

Com o propósito da transparência nas suas ações e no atendimento às solicitações da imprensa, a equipe da PF responsável pela Operação Carne Fraca concedeu nesse mesmo dia da operação uma entrevista coletiva, que pode ser assistida abaixo na sua íntegra.

 

 

De início essa coletiva esclarece que não teria sido por coincidência a escolha da data da operação coincidir com o aniversário de três anos de uma outra operação da Policia Federal, a Operação Lava Jato, operação de grande repercussão decorrente do seu desdobramento político e que investiga principalmente os crimes de corrupção praticados através da execução de obras contratadas pela Petrobras.

 

Se através da Operação Lava Jato os setores de óleo e gás e de construção pesada do país sofreram, e ainda vêm sofrendo, grandes baixas nas economias desses setores, afetando empregos e mesmo o mantenimento em funcionamento de algumas das empresas envolvidas, o “tiro” agora atinge outro setor da economia, o setor agropecuário.

 

Essa última frase traz exatamente o sentimento que, diferentemente do ocorrido com a Lava Jato e apesar dos desdobramentos serem bastante similares, têm sido a retórica dos políticos e demais autoridades responsáveis por tratar desse assunto, que os prejuízos causados no setor da economia não viriam das práticas na violação de leis de saúde pública, de corrupção e de lavagem de dinheiro e sim da maneira como esse o caso teria ido à público.

 

Essa retórica é reforçada através dos números. Quando o país possui mais de 4.300 plantas frigoríficas, a investigação se restringiria a apenas 22 delas, o que insinuaria as plantas não investigadas estarem funcionamento em conformidade e que, diante ao gigantismo do setor, tais fatos seriam insignificantes.

 

O que precisa ficar entendido até aqui e assim defendido é o mantenimento da obrigação de se praticar total transparência nessas ações, principalmente quando o assunto envolve questão tão sensível como a da saúde pública.

 

As consequências serão sempre infelizes e inevitáveis e mais uma vez, a transparência deve prevalecer. Não seria através da geração de dúvida ou de insinuações escusas sobre todo um trabalho de investigação que se resolveria o problema.

 

Imagem: Designed by Freepik

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *